7 erros comuns ao se produzir cachaça


Muito provavelmente você já cometeu um destes erros durante a sua produção e, se não comete mais, ótimo, continue neste caminho! Porém, meu amigo produtor, se algo anda errado e você ainda não sabe o quê, nosso texto vai te ajudar a identificar o problema. Confira!


1. Não comprovar a qualidade da bebida


O produtor segue todos os passos da produção cuidadosamente, faz uma cachaça impecável, mas na hora da venda a bebida não sai da prateleira.

Isso é um caso rotineiro na vida do produtor de cachaça, porém, não adianta apenas falar que sua bebida é boa, é necessário comprovar. Para isso, a certificação se torna essencial!

Se você tem dúvidas sobre os benefícios de obter certificações e prêmios para os seus produtos, te convidamos a ler os textos sobre porque você deve certificar o seu alambique e as vantagens de vendas que os selos trazem para a sua marca.



2. Espécie de cana inadequada


Você sabia que optar por uma espécie de cana mais adequada para a sua região é o único fator da produção de cachaça que pode aumentar a lucratividade sem acarretar despesa adicional?

Pois é, ao mesmo tempo que a escolha do tipo de cana pode favorecer o seu negócio, ela pode ser também o maior prejudicial para ele. Conhecer o clima, solo e o tempo de maturação da cana é indispensável para garantir uma boa produção.

Para isso, inicialmente, é importante experimentar várias espécies de cana e averiguar qual se adapta melhor ao seu modo de produção e localização geográfica.

Você precisa, também, pesquisar, conversar com especialistas e outros produtores, pois lembre-se: informação nunca é demais!


3. Desorganização


Relatórios, papelada, números.. é tanta informação na hora de regularizar a cachaça que muitos produtores se perdem por falta de organização. É muito simples falar, mas sabemos que não é fácil lidar com todos os processos e números que a regulamentação exige.

O melhor jeito de se organizar é olhar para o que você possui e tentar manter uma ordem. Para isso, existem vários sistemas de gestão empresarial, porém, o nosso é específico para produção de cachaça.

Através do Cachaça Gestor você  consegue armazenar os seus relatórios e, se algo der errado durante a produção, o sistema te avisa. Deste modo, você se livra da papelada e otimiza o controle da produção de caninha.


4. Desperdício


Como foi abordado neste post, para fazer uma cachaça de excelência é necessário se atentar ao processo de separação da cabeça, coração e cauda da cachaça.

Para não haver desperdício da matéria prima e de insumos, o controle à partir dos parâmetros de certificação se torna fundamental.

Ademais, quando regulamentado, o produtor pode aproveitar melhor os insumos gerados durante a produção, por exemplo, a cabeça e a cauda da branquinha podem ser utilizadas para produzir álcool etílico, já a vinhaça para fertirrigação e, o bagaço gerado no processo de moagem da cana, pode ser reaproveitado para alimento animal ou como fornalha.


5. Não higienizar diariamente os equipamentos


A falta de higiene afeta diretamente na produção da bebida. É necessário higienizar os equipamentos diariamente, assim você evita a contaminação e garante a qualidade da caninha.


6. Não corrigir suas medições de Brix e ºGL de acordo com a temperatura


É necessário estar sempre atento a temperatura antes de medir corretamente o grau Brix do seu caldo e o ºGL da cachaça. Os instrumentos de análise utilizados são ajustados para trabalhar corretamente com líquidos na temperatura de 20 ºC. Caso seu caldo ou a cachaça que deseja medir estiver mais quente ou mais frio, você deve realizar a correção de temperatura para 20 ºC e assim, chegar a resultados reais.


Quer estudar mais sobre cachaça, especializar-se nesse ramo e começar o seu próprio alambique? É só fazer o nosso curso para Mestre Alambiqueiro. Para saber mais, é só clicar no botão abaixo.



7. Queima dos canaviais


Embora facilite a colheita da cana-de-açúcar e seja muito frequente, a prática de queimar os canaviais interfere no sabor e na qualidade da caninha. Esta prática acelera o processo de deterioração da cana e interfere negativamente no processo de fermentação, pois a queima faz com que a bebida tenha um sabor amargo, diminuindo a qualidade final do produto.

Precisamos lembrar também sobre as questões ambientais que esta prática gera, a queima emite gases como gás carbônico e o monóxido de carbono que contribuem pelo aumento do efeito estufa, além de poluir o ar  através da fumaça e da fuligem da cana.


Portanto, se você deseja ter uma produção mais organizada, respeitar as questões ambientais e ainda lucrar mais, siga as nossas redes para ficar informado sobre os segredos da produção de cachaça de excelência.

This Post Has One Comment

Deixe uma resposta